Jornal do Brasil

Terça-feira, 2 de Setembro de 2014

Ciência e Tecnologia

Em simulação de cirurgia, gamers vão melhor que residentes

Portal Terra

Um estudo da Universidade do Texas em Galveston, nos Estados Unidos, indica que as horas gastadas com videogame por alguns jovens garantiu certas capacidades motoras importantes para modernas técnicas de cirurgia com uso de robôs. Em um experimento, jovens que gastam horas todos os dias com jogos virtuais tiveram melhor desempenho em simulações de cirurgia do que residentes no hospital da universidade. O estudo foi divulgado na quinta-feira em um congresso nos EUA.

Participaram do experimento nove estudantes do segundo ano da universidade e nove alunos do ensino médio - os primeiros gastam em média duas horas diárias com videogames e os segundos, quatro -, além de 11 residentes. Os grupos tinham em média 21, 16 e 31 anos, respectivamente. Os cientistas avaliaram dados como quanta tensão os participantes colocavam nos instrumentos, a precisão da coordenação entre a visão e as mãos e a estabilidade ao realizar procedimentos como sutura ou levantar instrumentos com braços robóticos.

"A inspiração para este estudo surgiu quando eu vi meu filho, um ávido jogador de videogame, pegar os controles de um simulador robótico de cirurgia em uma convenção médica", diz Sami Kilic, líder do estudo. "Sem treinamento formal, ele imediatamente teve facilidade com a tecnologia e os tipos de movimentos requeridos para operar o robô."

Foram avaliados 20 diferentes parâmetros de habilidades em 32 passos, todos com auxílio do robô cirurgião virtual - uma máquina que lembra um videogame e simula o funcionamento de um robô cirurgião real. Os melhores no estudo foram os estudantes de segundo grau, seguidos pelos universitários e, por último, ficaram os residentes - com pequena diferença entre os três grupos.

Em um segundo momento, o experimento foi repetido, mas em uma simulação sem robô cirurgião e os residentes tiveram um resultado bem melhor que os demais. A pesquisa, afirmam os cientistas, indica que as faculdades terão que se adaptar para uma nova geração de estudantes mais preparados para instrumentos modernos de cirurgia.

Tags: capacidade motoras, cirurgias modernas, EUA, galveston, medicina

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.