Jornal do Brasil

Terça-feira, 25 de Abril de 2017

Ciência e Tecnologia

Imagem produzida pela Nasa mostra mapa do aquecimento global

Jornal do Brasil

Jornal do Brasil

DA REDAÇÃO - A primeira década deste século foi mesmo a mais quente da história, de acordo com novos números de temperatura da superfície do planeta divulgados pela Nasa. A agência espacial americana também constatou que 2009 foi o segundo ano mais quente desde 1880, quando medições de temperatura passaram a ser feitas. O ano mais quente foi 2005. O maior aumento na temperatura média ocorreu na região do Ártico, como se observa no quadro ao lado.

O Instituto Goddard de Estudos Espaciais (GISS, na sigla em inglês), da Nasa, comparou as temperaturas médias dos períodos entre 1951-1980 e 2000-2009. Para isso, utilizou três fontes em seus cálculos: registros de temperatura de mais de mil estações meteorológicas espalhadas pelo mundo; medições da temperatura da superfície da água feitas por satélites; e aferições de temperatura feitas na Antártica. Os números obtidos nestas três fontes de informação foram processados por um computador do instituto.

Segundo os cientistas, uma combinação de fatores tem provocado o aquecimento global. O aumento das emissões de CO2 e outros gases de efeito estufa é um deles. Mas há outros fenômenos que contribuem para este quadro, como mudanças na radiação solar e oscilações na temperatura do oceanos, provocadas pela dinâmica das correntes marítimas e pelos fenômenos El Niño e La Niña.

Há uma variabilidade substancial a cada ano na temperatura global, causada pelo ciclo El Niño-La Niña. Porém, quando calculamos a média de temperatura durante cinco ou dez anos para minimizar essa variabilidade, descobrimos que todo um conjunto de fatores contribui para explicar as mudanças climáticas comenta James E. Hansen, diretor do GISS, um dos maiores climatologistas do mundo.

Os dados da Nasa mostram uma tendência de temperatura crescente de aproximadamente 0,2 graus Celsius por década durante os últimos 30 anos.

Esse é o número importante para manter em mente conta Gavin Schmidt, climatologista do Instituto Goddard.

A Nasa apurou ainda que 2009 empata com 2006 na posição de quinto ano mais quente já registrado, baseado em medidas retiradas na terra e no mar. A análise, conduzida pelo GISS em Nova York, também mostra que no Hemisfério Sul, 2009 foi o ano mais quente desde 1880.

E embora 2008 tenha sido o ano mais fresco da década devido ao forte resfriamento do Oceano Pacífico tropical 2009 viu um retorno a temperaturas globais próximas dos números recordes.

O ano passado foi apenas uma fração de um grau mais frio do que em 2005, o ano mais quente registrado, e preso ao agrupamento de outros anos 1998, 2002, 2003, 2006 e 2007 como o segundo ano mais quente.

Formuladores das políticas propostas Conferência do Clima no mês passado concordaram com o objetivo de manter o aumento das temperaturas globais médias 2 graus Celsius, para evitar os piores efeitos do aquecimento global. Os dados da Nasa fornecem novas evidências para a discussão científica do aquecimento global e para a tomada de decisões pelas nações.

Compartilhe: