Jornal do Brasil

Sábado, 26 de Maio de 2018 Fundado em 1891

País - Carnaval 2018

Especialistas dão dicas para proteção da pele e olhos no carnaval

Jornal do Brasil

Usar filtro solar e reaplicar a cada três horas para evitar queimaduras pelo sol nessa época do ano e, especialmente durante os desfiles dos blocos de rua, é uma recomendação que a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) faz aos foliões para o carnaval deste ano. A médica Tatiana Gabbi, membro da SBD, alerta que as pessoas devem dar preferência aos blocos que saem pela manhã ou à tardinha, evitando o horário de pico do sol das 10h às 16h, além de usar chapéu e boné, para evitar exposição direta do couro cabeludo aos raios solares.

“Usar roupas leves, claras, e óculos de sol para sair nos blocos. É importante”, disse Tatiana à Agência Brasil. Lembrou também que as pessoas não devem esquecer de passar repelente na pele. Ele deve ser aplicado por cima do filtro solar e reaplicado da mesma forma.

Para as crianças que participam dos blocos, a dermatologista indicou que os pais ou responsáveis devem oferecer aos pequenos bastante água para mantê-los hidratados. “E é importante não agasalhar demais as crianças e evitar fantasias com tecidos sintéticos que esquentam e podem causar alergia”. Do mesmo modo, os pais devem evitar colocar perucas ou chapéus de feltro, que deixam as crianças com mais calor.

"A gente recomenda o uso de óculos nos blocos porque se alguém usar spray o olho está protegido", diz especialista

Tatiana Gabbi alertou também para os cuidados que devem ser tomados com relação aos pés de crianças e adultos. Para proteger os pés de calosidades, bolhas, traumas e risco de cortes, a dica é dar preferência para sapatos confortáveis, folgados ou tênis e similares.

Micose

Foliões de todas as idades devem evitar também ficar com roupas molhadas no corpo, porque podem levar ao aparecimento de micoses. “A micose precisa de umidade e calor. Quando a gente fica com roupa úmida no corpo, acaba agredindo a pele e pode desenvolver micose, principalmente na região da virilha”. Também nos pés pode aparecer micose, com o uso de sapatos molhados.

No que se refere à maquiagem para o carnaval, é possível evitar alergias usando produtos de boa procedência ou que tenham sido experimentados previamente. Tatiana avaliou que não há muito problema de toxicidade ou de alergia no uso de glitter.

O problema é quando se usa maquiagem de cobertura maior, chamada maquiagem artística. “No sol, não é uma boa combinação, porque tem o perigo de ir para dentro dos olhos e causar problemas”. A dermatologista recomendou que se evite sempre a região dos olhos nesse tipo de maquiagem.

Sobre os 'sprays' de espuma, que contêm às vezes substâncias tóxicas, disse que o ideal é evitar. “Por isso, a gente recomenda o uso de óculos nos blocos porque se alguém usar esse tipo de produto, o olho está protegido”.

Visão

Outra especialista, a oftalmologista Aletea Lima, membro da Sociedade Brasileira de Oftalmologia, destacou os cuidados que os foliões devem tomar com relação a cílios postiços, como cílios de Led e com ímã, bem como adesivos de delineador, que são bastante utilizados em maquiagens de carnaval. “Eles não são proibidos nem representam risco para a visão, mas é preciso tomar cuidados”, advertiu.

O primeiro deles é procurar certificar-se com seu oftalmologista se nas pálpebras e cílios está tudo apto para uso de qualquer apetrecho que tenha adesivos ou coisas semelhantes, porque as alterações palpebrais e ciliares são normalmente microscópicas. “Então, tem que tentar ver se você está com alguma bactéria, casquinha no cílio, se tem alguma alergia. Isso tudo é visto no microscópio”. 

Os foliões devem fazer uma higiene das pálpebras apropriada antes e depois de colocar qualquer maquiagem ou apetrecho carnavalesco. Aletea enfatizou que esses produtos são de uso pessoal exclusivo do folião e não devem ser compartilhados com outras pessoas. É necessário ter atenção a possíveis alergias porque, geralmente, esses artigos de maquiagem vêm com cola.

Trauma

Deve-se ainda ter cuidado com o trauma direto. Maquiagens de carnaval modernas têm luzes que brilham e muita purpurina. “É preciso tomar cuidado com criança ou com foliões meio altinhos que olham aquilo diferente e imediatamente levam a mão ao seu rosto, bem como a pessoa que vai colocar esses produtos, para não ter nenhum trauma mecânico no colocar. Ou seja, é evitar o contato direto por meio de trauma de curiosos e de quem vai fazer a manipulação”, sugeriu.

Da mesma forma, a oftalmologista recomendou cuidado com confetes, cujas partículas têm mais chance de entrar no olho e podem arranhar e ferir a córnea, obrigando o folião a ir para emergência oftalmológica. Deve-se usar lubrificante ocular ou colírio antes e depois da maquiagem. Mas se cair algo no olho, a dica é lavar com água filtrada ou, de preferência, soro fisiológico, até não sentir mais ou desconforto.

Em relação às crianças, Aletea Lima recomendou aos pais que podem pintar todo o rosto, mas não precisam pintar os olhos dos pequenos foliões, porque o olho da criança é mais sensível a qualquer produto químico que tenha na maquiagem ou na tinta. “Portanto, o cuidado com a criança tem que ser redobrado”. A orientação oftalmológica é que a pessoa tem que ter cuidado redobrado com o olho, principalmente nessa época em que há muito calor e suor e a criança passa muito a mão no olho. Terçol e conjuntivites são alguns problemas que podem surgir.

Agência Brasil


Tags: carnaval, maquiagem, olho, proteção, spray

Compartilhe: