Jornal do Brasil

Quinta-feira, 27 de Novembro de 2014

Cardeal Orani Tempesta

A Senhora de Nazaré

Cardeal Orani Tempesta

O título de Nossa Senhora de Nazaré surgiu com antiga tradição cristã do primeiro século, com fatos que incluíam São José e São Lucas, mas que sabemos que tudo se inicia com o anúncio do Arcanjo Gabriel. Uma imagem de Maria, encontrada em Nazaré, teria sido levada para o mosteiro de Cauliniana, na Espanha. Depois, já no século VI, no ano de 711, foi levada para Portugal.

Com a invasão dos mouros em Portugal, o rei Rodrigo, último rei visigodo da Península Ibérica, fugiu levando as relíquias de São Brás, São Bartolomeu e a imagem de Nossa Senhora de Nazaré junto com sua família e com Frei Romano, que sempre o acompanhou. Antes de morrer, Frei Romano escondeu a imagem numa gruta. A imagem ficou ali por mais de 400 anos. Ela foi descoberta em 1182, por pastores que andavam pela região. Por causa da sua simplicidade, beleza e diferença dos padrões de imagens, Nossa Senhora de Nazaré voltou a ser venerada.

Quanto ao milagre: o cavaleiro Diego Fuas Roupinho, que era Alcaide do porto de Mós e Almirante de Dom Afonso, foi salvo por milagre por intercessão de Nossa Senhora de Nazaré. Ele perseguia uma caça num dia de muita neblina. A caça caiu num abismo por causa da cerração. O cavaleiro não sabia que corria para o abismo. Mas, antes que caísse, ele vinha rezando à Senhora de Nazaré para que o protegesse. De repente, então, o cavalo parou. A cerração se dissipou e ele viu que estava à beira de um abismo onde a caça tinha caído. Após esse milagre, a vila onde isto ocorreu passou a ser chamada de Vila de Nossa Senhora de Nazaré. Lá, foi construída uma pequena capela por Diego Roupinho, o cavaleiro salvo. Hoje existe ali uma Igreja em homenagem a Nossa Senhora.

Os Jesuítas foram os primeiros responsáveis em propagar a devoção de Nossa Senhora de Nazaré por toda a região de Portugal e, posteriormente, para toda a Europa. A principal casa de estudos e noviciado do mosteiro Jesuíta em Portugal é dedicada a Nossa Senhora de Nazaré.

A devoção iniciou no Brasil, pelo que se tem notícia, aqui em nossa região. Conta-se que no dia 8 de setembro do ano de 1630, após uma grande tempestade, um pescador saiu para ver suas redes no mar de Saquarema. Ao passar diante de um morro, onde hoje está erguida a Igreja Matriz dedicada a Nossa Senhora de Nazaré, viu uma forte luz e foi verificar o que era. No local do brilho, ele encontrou a imagem de Nossa Senhora de Nazaré. Levou a imagem para sua casa na vila dos pescadores, reuniu todos os pescadores, fizeram orações e foram dormir. No dia seguinte, a imagem reapareceu no local onde havia sido encontrada. Isso aconteceu por duas vezes.  Todos entenderam que era para construir uma capela naquele local. Muitos milagres aconteceram a partir de então e a capela ficou pequena, sendo necessário construir uma igreja bem maior. Sua festa é celebrada no dia 8 de setembro.

A Festa do Círio de Nazaré em Belém do Pará, na região norte do Brasil, foi precedido pelo de Vigia de Nazaré. Porém, ela tornou-se conhecida e celebrada com solenidade em Belém do Pará desde 1793, e hoje, participada por mais de 2 milhões de pessoas no segundo domingo de outubro.  Mas ao todo são 12 procissões (romarias) durante o mês de Outubro, que marcam a vida, a fé e a cultura paraenses. O nome círio vem das velas que acompanham a procissão, hoje a da transladação no sábado à noite. Círio é uma palavra que significa vela grande.  A devoção à Senhora de Nazaré iniciou-se com o encontro da imagem pelo jovem Plácido. Até hoje essa imagem se encontra na Basílica Santuário como testemunho de um povo devoto, e se tornou a maior festa católica do mundo dedicada à Mãe de Jesus.

Aqui no Rio de Janeiro temos essa devoção há dezenas de anos. Existem paróquias, capelas e irmandades dedicadas a ela. Porém, há seis anos começamos a receber a imagem peregrina. Foi uma iniciativa da Diretoria do Círio de Belém de visitar as capitais do Brasil, hoje expandida para outras cidades e regiões. Como aqui encontrou um numeroso público paraense e outro também devoto de Nossa Senhora de Nazaré, essa visita passou a se repetir a cada ano.

A imagem peregrina chegou no dia 1º de agosto e ficou entre nós até o dia 4 de agosto, quando pudemos ter momentos marcantes junto com a imagem da “Virgem de Nazaré”. O tema deste ano foi: “Vocacionados à Caridade”. 

Foram belos e importantes momentos para reavivar a nossa vida de fé e nos impulsionar para o futuro. De maneira especial neste Ano da Caridade e neste Mês Vocacional. 

Rezemos juntos: Ó Virgem Imaculada de Nazaré, fostes na terra criatura tão humilde, a ponto de dizer ao Anjo Gabriel: Eis aqui a escrava do Senhor. Mas por Deus fostes exaltada, e preferida entre todas as mulheres, para exercer a sublime missão de Mãe do Verbo Encarnado. Adoro e louvo o Altíssimo que vos elevou a essa excelsa dignidade e vos preservou da culpa original. Quanto a mim, soberbo e carregado de pecados, sinto-me confundido e envergonhado perante vos. Entretanto, confiando na bondade e ternura de vosso Coração Imaculado e maternal, peço-vos a força de imitar a vossa humildade, e participar da vossa caridade, a fim de viver unido, pela graça, ao vosso divino filho Jesus. Assim como vós viveste no retiro de Nazaré. Para alcançar essa graça, quero, com imenso afeto e filial devoção, saudar-vos como o arcanjo Gabriel: Ave Maria, cheia de graça, o Senhor é convosco, bendita sois vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus. Santa Maria, mãe de Deus, rogai por nós, pecadores, agora e na hora de nossa morte. Amém.

Nossa Senhora de Nazaré, rogai por nós que recorremos a Vós! Amém. 

Orani João, Cardeal Tempesta, O. Cist. - Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ

Tags: Artigo, cardeal, JB, orani, tempesta

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.