Jornal do Brasil

Terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Cardeal Orani Tempesta

A caridade até as últimas consequências

Cardeal Orani Tempesta*

Nas reflexões que fazemos a respeito da caridade dentro dos temas deste triênio do Plano de Pastoral de nossa arquidiocese deparamo-nos, não raras vezes, com belos e até heroicos exemplos de vivência desse amor fraterno, serviçal e desinteressado que, por serem o cerne da vida cristã, não aparecem na grande mídia nem são imitados, infelizmente, pelos nossos irmãos e irmãs batizados.

A virtude heroica foi o apanágio dos grandes santos. Um vivo exemplo a ser imitado é o do padre Damião de Veuster (1840-1889), sacerdote belga que se dedicou inteiramente aos leprosos de Molokai — território do Havaí, no Oceano Pacífico, mais conhecido como “ilha maldita” devido ao grande número de hansenianos — até ele próprio ser também afetado e consumido pela lepra, causa que o levou a se fazer merecedor do epíteto: “Padre Damião, o leproso de Cristo”.

Recordo com muito carinho que, ainda adolescente, e quando ainda se faziam revistas em quadrinhos com a vida dos santos, essa biografia me comoveu muito. Depois tive a alegria de celebrar a missa em ação de graças pela sua canonização aqui no Rio de Janeiro, em uma das casas de sua congregação. São dados que nos fazem contemplar que a caridade é ir ao encontro do outro, dando a própria vida.

Damião, cujo nome de batismo era Joseph, nasceu em 3 de janeiro de 1840, em Tremeloo, na Bélgica, e era o sétimo dos oito filhos do casal Veuster. Dessa família, duas moças, Eugênia e Pauline, se tornaram religiosas ursulinas, e dois rapazes, Augusto e Joseph, sacerdotes religiosos na Congregação do Sagrado Coração de Jesus, sendo que este último, com o nome religioso de Damião, veio em missão para as ilhas do Havaí, em 1864, com 24 anos, sendo aí ordenado sacerdote.

Tão logo recebeu o sacramento da ordem, pôs-se a trabalhar com as ovelhas que lhes foram confiadas: visitava os doentes, construía igrejas e escolas, aconselhava os duvidosos, ministrava os sacramentos, percorria seu vasto território de missão a cavalo ou de canoa improvisada, fazendo com que a sua mão fosse a mão amorosa de Cristo estendida a todos os homens e mulheres que cruzavam seu caminho.

Em 1873, em uma reunião dos sacerdote missionários com monsenhor Maigret, vigário apostólico, surge a notícia de que a ilha de Molokai havia se tornado um local para o confinamento de leprosos, ou seja, uma espécie de vergonhoso “campo de concentração”, no qual os infectados pela lepra moravam em míseros casebres, recebiam apenas roupas e alimentos, mas não dispunham de assistência médica e religiosa, embora entre os infectados existissem muitos católicos.

O relato da situação degradante da “ilha maldita” mexeu com os zelosos missionários, que se propuseram ir para aquela região onde imperava a dor, o desânimo, o abandono, enfim, o aviltamento do ser humano doente e condenado a viver longe de tudo e de todos. Padre Damião, depois de refletir um pouco, lembrou-se de que, por ocasião de seus votos religiosos, se deitara no chão para morrer com Cristo em Deus (cf. Cl 3,3) e, uma vez morto para o mundo, seu desejo era apenas o de entregar-se, incondicionalmente, aos mais necessitados entre os necessitados desta terra. 

Rompeu, então, a curta reflexão para dizer ao seu bispo: “Excelência, de todos os distritos o meu é o que apresenta o maior número de leprosos. Muitos católicos, conhecidos meus, estão atualmente confinados em Molokai. Já tenho certa prática de lepra. Peço a Vossa Excelência que me envie”. O bispo, porém, muito paternalmente, respondeu-lhe: “Eu nunca teria ousado impor a alguém uma tarefa tão difícil. Mas, diante da generosidade da tua oferta, aceito-a com alegria. Partiremos juntos; eu mesmo te apresentarei aos nossos leprosos católicos”. Todos sabiam que ele estava partindo para uma viagem sem volta. Ninguém poderia retornar dessa ilha.

Talvez, hoje, não tenhamos clara noção do que isso significava nos fins do século 19: a lepra era considerada uma epidemia, moléstia altamente contagiosa que requeria — por razões sanitárias e para evitar a propagação — isolamento (cf. Lv 13,45) e distanciamento dos demais conterrâneos (cf. Lc 17,11-19). No entanto, padre Damião quer quebrar esse estigma e, despretensiosamente, ganhar a confiança dos doentes da ilha, daí se pôr a fazer as refeições com eles em suas próprias vasilhas, acariciar as crianças contaminadas, abraçá-los, apertar-lhes as mãos, conviver com o cheiro fétido dos chagados, como se nenhuma barreira houvesse entre ele e os doentes.

Tais gestos fizeram com que o ambiente desolador começasse — segundo constatação das autoridades havaianas e do próprio bispo que lá voltou em 1875 para ministrar crisma a 135 pessoas — a mudar para melhor. Não demorou surgirem na ilha dois orfanatos, um hospital, uma nova igreja, casas mais confortáveis para os habitantes insulares, banda de música, cemitério digno onde as mulheres e os homens eram sepultados, decentemente, em caixões de madeira e não mais embrulhados em panos como indigentes etc.

Padre Damião foi, por esses atos, notícia na imprensa do mundo todo e, em contrapartida, recebeu muitas ajudas, em espécies e financeiras, de vários países, além de conseguir seguidores — sacerdotes, religiosas, enfermeiros, médicos — que, como ele, decidiram se internar em Molokai para prestarem melhor auxílio aos enfermos, não obstante algumas acusações que rotulavam o caridoso sacerdote de ser exibicionista, imprudente, usurpador do dinheiro alheio etc (sempre acontece isso por parte de grupos contrários e que são as cruzes dos que se dedicam generosamente aos irmãos). Todavia, ele suportou todas as adversidades com ânimo forte e não se deixou vencer pelo mal, mas procurou, como ensina São Paulo, vencer o mal com o bem (cf. Rm 12,21).

Eis, porém, que, no ano de 1877, padre Damião percebe manchas brancas nos braços e nas costas, sente calafrios, inchaço e dores nos pulsos, percebe, mesmo que ainda sem grande certeza, que a lepra o acometera, mas a confirmação vem apenas sete anos depois, quando passa pela ilha o microbiólogo professor Arning e lhe dá um diagnóstico preciso. O padre contraíra a terrível doença daqueles tempos, mas, longe de se revoltar, bradou forte: “Estou leproso. Obrigado, meu Deus!”.

Sem se deixar abalar, continuou todas as suas atividades pastorais e caritativas até poucos meses antes de sua morte, ocorrida em 15 de abril de 1889, entre alguns de seus auxiliares e, de um modo muito especial, junto aos seus amados leprosos, nos quais via a figura de Cristo desfigurado no caminho do Calvário, a precisarem do auxílio de um Cirineu que tivesse forças para ajudá-los a carregar suas pesadas cruzes naquele verdadeiro lugar de desolação e morte. 

Isso, ele mesmo expressa ao padre Panfílio (Augusto), seu irmão de sangue e de hábito, em carta datada de 09/09/1887, ao escrever: “Com esta esperança, aceito a minha cruz pessoal e esforço-me por carregá-la segundo o exemplo de Simão Cirineu, atrás do nosso Divino Mestre. Ajuda-me com as tuas orações, eu suplico, a fim de que eu encontre a força para perseverar e chegar serenamente ao cume do Calvário. Embora a lepra já tenha causado danos ao meu corpo, desfigurando-me um pouco, continuo forte e robusto. As intensas dores que há tempos eu sofria nos pés desapareceram. A doença ainda não me atacou as mãos; continuo, pois, a celebrar a santa missa. Esta graça me consola, seja por causa de meus interesses espirituais, seja por causa dos meus numerosos companheiros de desgraça”.

Ao refletir sobre esta comovente história, talvez pouco conhecida, do padre Damião, é bom que fique marcado: nos lugares em que às vezes menos se imagina há um filho de Deus ajudando — mesmo com risco da própria vida — seus irmãos necessitados de pão espiritual e material, porque, a exemplo de Cristo, ama verdadeiramente com o ágape, amor fraterno, serviçal, desinteressado. E disso a Igreja Católica do Rio de Janeiro e do Brasil se alegra e dá ação de graças a Deus pelas múltiplas e silenciosas ações práticas de caridade.

Certo é que Deus não nos pede, ordinariamente, essas façanhas. Elas requerem uma graça de estado própria para sustentar tão grande missão em favor do próximo espezinhado pela dor física, causada pela moléstia contagiosa, e psicológica, oriunda do abandono de seus parentes, amigos e da segregação aplicada pela própria sociedade que outrora o acolhia para produzir e consumir seus lucrativos produtos.

Possa o exemplo do padre Damião levar-nos à incômoda mas necessária pergunta: quantos minutos da nossa vida dedicamos ao próximo mais necessitado?

Orani João, Cardeal Tempesta, cisterciense, é arcebispo do Rio de Janeiro.

Tags: Artigo, cardeal, JB, Jornal, orani, texto

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.