Jornal do Brasil

Sexta-feira, 22 de Junho de 2018 Fundado em 1891

País - Artigo

Rio?

Jornal do Brasil Lula Vieira

Minha sala na Approach fica no fim de um corredor onde dezenas de moças e rapazes trabalham diante de seus computadores. A casa é um palacete em Botafogo, residência do Ministro das Relações Exteriores no tempo de Getúlio Vargas. Na nossa frente uma creche e ao lado o Colégio Santo Inácio, um dos mais tradicionais do Rio. 

A rua, Eduardo Guinle, ainda lembra o tempo que os Guinle brilhavam na sociedade. Nos três andares da minha empresa uma centena de jovens produzem notícias, vídeos, posts para dezenas de clientes. Um local nobre, uma casa linda, um ambiente de trabalho alegre, descontraído e moderno. Ouve-se ao longe a gritaria das crianças no colégio. Ontem, estava trabalhando e ouvi um tiro. Levantei-me da mesa e fui à janela, assustado: um tiro? Logo em seguida, como confirmação, tiros trocados com convicção e empenho. Olho o corredor. Alguém comenta em voz calma “hoje a coisa está brava...” Pergunto, ingênuo, se é comum às 3 da tarde a trilha sonora do trabalho ser um tiroteio. A resposta é assustadora: tem dias piores.

Descubro que desta vez, pela altura do som, o tiroteio vem do vizinho morro de Santa Marta. Mas às vezes vem mais de perto, da rua São Clemente mesmo. No refeitório comentam a quantidade de assaltos pelas redondezas. Sem muita emoção. Um assalto é como chuva ou resfriado. Pode acontecer ou não, mas não é nada muito importante, digno de se perder tempo com isso. 

Me lembro que falavam disso os correspondentes de guerra, ao relatarem a vida de cidades em conflito. De Londres, onde o governo criou tonéis/residências para os desabrigados, um mero barril com uma cama e uma mesinha. Ou de Beirute, com sócios de um clube assistindo batalhas urbanas mergulhados na piscina construída num morro com vista para um bairro situado nos baixios. As pessoas se acostumam com tudo, dizem.

 Em Luanda não causa espanto aos locais os milhares de mutilados andando pelas ruas, vítimas de minas deixadas nos campos pelas facções em conflito. Para um carcereiro o ambiente da cadeia pode parecer acolhedor. Como um garçom amigo que respondeu à pergunta de como aguentava trabalhar na balbúrdia de um restaurante lotado: “isso que você chama de inferno, eu chamo de lar”. Era uma blague, mas ele pensava assim. Existem outras cidades perigosas, algumas até mais do que o Rio de Janeiro. Mas aqui o problema se espalha pela cidade inteira, fica mais visível. E o carioca reage como nenhum outro povo do universo. Aqui eles põe a culpa...na Globo. 

Se algum desavisado nas redes sociais ou na mesa de bar levantar o assunto segurança, pode ter certeza: a resposta será: “isso é mídia”, como se as coisas não fossem bem assim, mas apenas fruto da imprensa sensacionalista. Assim é o Rio que, como diria o Ministro, não é lugar para amadores. Agora um final surpreendente. Eu há 35 anos podia decidir em qual cidade gostaria de morar. 

Tinha várias opções fora do país e mesmo voltar para minha terra, São Paulo. Não tive dúvidas: quis ficar no Rio. Aqui casei e criei meus filhos e estou vendo minha neta crescer. E apesar de tudo isso que contei, apesar do medo, da tristeza de ver o povo maltratado, apesar dos governantes que a cidade escolhe, por autoflagelo, indiferença, ignorância ou pura sacanagem (às vezes por religião), não me arrependo de ter ficado por aqui.

*Publicitário



Tags: . rio, artigo jb, crise, janeiro, mídia

Compartilhe: