Jornal do Brasil

Terça-feira, 16 de Setembro de 2014

Anna Ramalho

Preços no Brasil não encontram paralelo no mundo

Do professar de direito tributário da UFRJ, Sacha Calmon, em conversa com a coluna:

"Não é à toa – e certamente estão cobertos de razão – que as classes A e B viajam de malas vazias para os EUA onde tudo é de 50% a 60% mais barato mesmo com o dólar a R$ 2,50 (paralelo), desprezando a indústria e o comércio no Brasil. Enquanto isso, as classes pobres mantêm o emprego (e a miséria também), sacrificando-se no crediário. É uma covardia. Para ter ideia, com impostos incluídos, vejamos um item bem marcante: o videogame XBox One no Brasil – R$ 2.299 – é o mais caro do mundo. Na Inglaterra custa R$ 1.573, na União Europeia R$ 1.524, no México R$ 1.480, na Nova Zelândia R$ 1.428, na Austrália R$ 1.297, nos Estados Unidos R$ 1.141 e no Canadá R$ 1.093. Sem os impostos, de acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), ele sairia por aproximadamente R$ 1.100."

Tags: compra, Dólar, economia, imposto, país

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.